sexta-feira, 27 de outubro de 2017

500 ANOS DE REFORMA



Por Marcus Vinícius
No próximo dia 31 serão comemorados, em todo o mundo, 500 anos da Reforma Protestante.  Quero aqui expor minha opinião a respeito da reforma religiosa necessária nos dias de hoje.
Sabe-se que foi no dia 31 de outubro de 1517 que o monge agostiniano Martinho Lutero afixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittemberg. Tal fato assinalou o início da Reforma Protestante e, teve êxito porque antes dele (Lutero), muitos na Europa nutriam e propagavam uma grande insatisfação para com a Igreja opressora da época.
As teses eram 95 frases curtas que chamavam as pessoas para uma discussão, e propunha uma volta ao cristianismo bíblico. Lutero não queria deixar a Igreja Católica, queria somente que a mesma deixasse de se gananciosa e opressora, e não tendo conseguindo a desejada reforma interna, saiu dela e definiu as bases do protestantismo nas cinco Solas: "Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fide, Solus Christus, Soli Deo Gloria".
A crise eclesiástica de hoje é bem maior que que aquela do século 16, de Martinho Lutero. Lá era a venda das indulgências, das relíquias e a ostentação do clero. Agora temos Teologia da prosperidade, da libertação, da esperança, ...  Grupos Neopentecostais, pentecostais e até as igrejas ditas históricas, tornaram-se grandes empresas luxuosas, lugares de entretenimentos e encontros dominicais.
Pastores e líderes religiosos que decretaram a escravidão das ovelhas, ovelhas não tem o direito de pensar porque são escravizadas. Estão para obedecer cegamente e enriquecer seus líderes, não se ensina as ovelhas a pensar.
A maioria dos Líderes portam se como lacaios e com covardia na prática pastoral, estendendo as mãos para abençoar corruptos e indignos. Tornaram-se executivos da fé, milionários, gananciosos e aproveitadores da boas fé pública.  Muitos, como eu, não aguentam mais presenciar, escutar e ver uma igreja de barganhas e conivente com o pecado, cheia de religião, pobre de boas obras e sem Jesus.
Hoje, tendo passado 500 anos, percebo que uma nova reforma, nos moldes da de Lutero não resolverá a crise que vive a Igreja. Se reformar é dar novas formas as formas já existente, então não acredito em REFORMA alguma nas igrejas, que são meras construções humanas. Acredito é no poder do evangelho, em Jesus Cristo para reformar e restaurar o que foi estragado pelo homem
Quero então, sugerir uma tese para a desejada reforma: O evangelho.
Que cada evangélico deixe-se contaminar pelo o evangelho de Deus, que cada um carregue a qualidade e o conteúdo do evangelho. Que todos tenham o saber e a consciência do que é o evangelho.
Somente assim, iremos implodir a estrutura de pecado que permeia o Brasil e por extensão, a nossa querida Parnaíba.
Abraço,
Frater et Peccator

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

VAIDADE PASTORAL



Por Marcus Vinícius
                A História da cristandade não foi construída pelos que se arrogam ser alguma coisa, mas por homens e mulheres de Deus que a si mesmos se humilharam diante da Majestade, Sublimidade, Grandeza e Soberania de Deus. Toda vez que faço uma leitura da vida de Jesus vejo-o como uma Pessoa totalmente despida de si mesma, abnegada e focada na missão que recebeu do Pai.
              Os Profetas do AT, homens de Deus, eram muito conscientes de sua própria fraqueza. Destacamos Elias, Eliseu, Micaías, ... Já no limiar entre o AT e o NT, vemos João Batista que foi designado para preparar o caminho do Redentor sendo intrépido em seu curto ministério, não se acovardando diante da imoralidade de Herodes Antipas. No NT vemos Pedro, Paulo e tantos outros na mesma práxis. Todo eles foram homens intrépidos, ousados, mas humildes em sua expressão, no exercício dos seus respectivos ministérios e missão. Porque tinham consciência de quem eram e de que fora Deus que os havia chamados. A concepção de mim mesmo sempre será na medida em que tenho a convicção de quem é Deus, ou seja, o entendimento da Pessoa de Deus determina a minha pessoa.
           Vejo que o propósito de muitos líderes tem sido a autopromoção. É impressionante o número de pastores que se autopromovem, colocam fotos na entrada do templo, apreciam o elogio, a tietagem e até se oferecem para pregar. Criam “ilustrações” exóticas e mentirosas. Gostam dos holofotes, de estarem no auge, querem ser bajulados e considerados semideuses. A nossa natureza humana gosta destas coisas. Esta é a síndrome adâmica. Lamento e muito, o aumento de obreiros, arrogantes, vaidosos e tomados de uma filosofia de autopromoção que me faz sentir desprezo.
               Sabemos que dentro do homem a um coração ganancioso cujo intento é sempre possuir e possuir. (Coisas, fama, trono, pódio, admiração, glória pessoal). O Senhor Jesus referiu-se a essa tirania das coisas quando disse aos Seus discípulos: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo ...” (Mt 16:24,25).
 Não duvido de que esse apego possessivo às coisas seja um dos hábitos mais danosos da vida, por ser ele tão natural e generalizado.  Como também seus efeitos, que são trágicos e maculam a mensagem do verdadeiro evangelho.
Bem aventurados os humildes de espírito porque deles é o Reino dos céus” (Mt 5.3)
Que o Senhor cresça e que diminua eu!
Abraço fraterno.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

ORANDO PELOS GOVERNANTES E AUTORIDADES




Por ocasião dos 173 anos da emancipação política da invicta Parnaíba, presenciamos muitos cristãos orando pela cidade e pelo Prefeito “Mão Santa”.
Como cristãos, somos convocados a orar pelas autoridades constituídas, o que inclui o Prefeito de nossa cidade, o governador de nosso estado e o Presidente do País. Leiamos o ensinamento de Deus transmitido por Paulo:
“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2.1-4).
No contexto do versículo, considera-se Roma, cujo imperador se chamava NERO CLAVDIVS CAESAR AVGVSTVS GERMANICVS, que governou de outubro de 54 a junho de 68, e que mandou matar o autor da Carta a Timóteo. E mesmo assim, vale a recomendação divina.
Tal texto foi muito bem usados por governantes déspotas e por tantos outros “picaretas”, que usam e desvirtuam a Bíblia ao seu bel prazer. Por isso é que o texto precisa ser bem compreendido, para que venha a ser aplicado corretamente como palavra de Deus.
A oração pelos outros (intercessão) agrada a Deus. E orar pelos governantes e autoridades também é ministério de intercessão.
Deus criou e rege o mundo através de leis. Há leis naturais, leis espirituais e leis sociais. Uma dessas leis sociais é a existência de governos para liderar as nações, estados e cidades. Os governantes são parte das leis de Deus para a humanidade.
Eles vivem sob uma pressão muito grande.
Eles vivem sob uma tentação muito grande.
Eles vivem sob uma sedução muito grande.
Eles precisam de sabedoria solidária para governar.
Ele precisam de nossas orações.
         
Os governantes precisam possuir qualidades naturais, mas também qualidades especiais (dadas sobrenaturalmente por Deus) para bem governar.
Ao oramos por nossos governantes, pedimos a Deus que os capacite, tanto natural quanto sobrenaturalmente, não importa se creem nele. Um bom governo permite que os cristãos vivam em liberdade e que possam proclamar o amor de Deus a todos.
Mas, “atentai bem”, a oração pelos governantes não elimina o direito à crítica e a fiscalização, em alguns casos, pode-se pedir por seu impeachment. Os tiranos e corruptos devem ser depostos.
Os pastores Martin Niemoller e Dietrich Bonhoeffer resistiram a Hitler. Martin Luther King Jr. resistiu à política oficial segregacionista norte-americana. Orar por um político não é aprovar sua conduta. Assim sendo:

  •   Devemos pedir pela conversão dos governantes.
  •  Devemos pedir sabedoria para os governantes.
  •   Devemos pedir generosidade a Deus para os governantes.
  •  Devemos pedir a Deus que os governantes consigam atuar de modo a contribuir para que haja justiça e liberdade.
  • Podemos até pedir a saída dos governantes incompetentes e corruptos, desde que seja respeitada a lei, se democrática.


Abraço fraterno do MV.