quinta-feira, 5 de outubro de 2017

VAIDADE PASTORAL



Por Marcus Vinícius
                A História da cristandade não foi construída pelos que se arrogam ser alguma coisa, mas por homens e mulheres de Deus que a si mesmos se humilharam diante da Majestade, Sublimidade, Grandeza e Soberania de Deus. Toda vez que faço uma leitura da vida de Jesus vejo-o como uma Pessoa totalmente despida de si mesma, abnegada e focada na missão que recebeu do Pai.
              Os Profetas do AT, homens de Deus, eram muito conscientes de sua própria fraqueza. Destacamos Elias, Eliseu, Micaías, ... Já no limiar entre o AT e o NT, vemos João Batista que foi designado para preparar o caminho do Redentor sendo intrépido em seu curto ministério, não se acovardando diante da imoralidade de Herodes Antipas. No NT vemos Pedro, Paulo e tantos outros na mesma práxis. Todo eles foram homens intrépidos, ousados, mas humildes em sua expressão, no exercício dos seus respectivos ministérios e missão. Porque tinham consciência de quem eram e de que fora Deus que os havia chamados. A concepção de mim mesmo sempre será na medida em que tenho a convicção de quem é Deus, ou seja, o entendimento da Pessoa de Deus determina a minha pessoa.
           Vejo que o propósito de muitos líderes tem sido a autopromoção. É impressionante o número de pastores que se autopromovem, colocam fotos na entrada do templo, apreciam o elogio, a tietagem e até se oferecem para pregar. Criam “ilustrações” exóticas e mentirosas. Gostam dos holofotes, de estarem no auge, querem ser bajulados e considerados semideuses. A nossa natureza humana gosta destas coisas. Esta é a síndrome adâmica. Lamento e muito, o aumento de obreiros, arrogantes, vaidosos e tomados de uma filosofia de autopromoção que me faz sentir desprezo.
               Sabemos que dentro do homem a um coração ganancioso cujo intento é sempre possuir e possuir. (Coisas, fama, trono, pódio, admiração, glória pessoal). O Senhor Jesus referiu-se a essa tirania das coisas quando disse aos Seus discípulos: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo ...” (Mt 16:24,25).
 Não duvido de que esse apego possessivo às coisas seja um dos hábitos mais danosos da vida, por ser ele tão natural e generalizado.  Como também seus efeitos, que são trágicos e maculam a mensagem do verdadeiro evangelho.
Bem aventurados os humildes de espírito porque deles é o Reino dos céus” (Mt 5.3)
Que o Senhor cresça e que diminua eu!
Abraço fraterno.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

ORANDO PELOS GOVERNANTES E AUTORIDADES




Por ocasião dos 173 anos da emancipação política da invicta Parnaíba, presenciamos muitos cristãos orando pela cidade e pelo Prefeito “Mão Santa”.
Como cristãos, somos convocados a orar pelas autoridades constituídas, o que inclui o Prefeito de nossa cidade, o governador de nosso estado e o Presidente do País. Leiamos o ensinamento de Deus transmitido por Paulo:
“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2.1-4).
No contexto do versículo, considera-se Roma, cujo imperador se chamava NERO CLAVDIVS CAESAR AVGVSTVS GERMANICVS, que governou de outubro de 54 a junho de 68, e que mandou matar o autor da Carta a Timóteo. E mesmo assim, vale a recomendação divina.
Tal texto foi muito bem usados por governantes déspotas e por tantos outros “picaretas”, que usam e desvirtuam a Bíblia ao seu bel prazer. Por isso é que o texto precisa ser bem compreendido, para que venha a ser aplicado corretamente como palavra de Deus.
A oração pelos outros (intercessão) agrada a Deus. E orar pelos governantes e autoridades também é ministério de intercessão.
Deus criou e rege o mundo através de leis. Há leis naturais, leis espirituais e leis sociais. Uma dessas leis sociais é a existência de governos para liderar as nações, estados e cidades. Os governantes são parte das leis de Deus para a humanidade.
Eles vivem sob uma pressão muito grande.
Eles vivem sob uma tentação muito grande.
Eles vivem sob uma sedução muito grande.
Eles precisam de sabedoria solidária para governar.
Ele precisam de nossas orações.
         
Os governantes precisam possuir qualidades naturais, mas também qualidades especiais (dadas sobrenaturalmente por Deus) para bem governar.
Ao oramos por nossos governantes, pedimos a Deus que os capacite, tanto natural quanto sobrenaturalmente, não importa se creem nele. Um bom governo permite que os cristãos vivam em liberdade e que possam proclamar o amor de Deus a todos.
Mas, “atentai bem”, a oração pelos governantes não elimina o direito à crítica e a fiscalização, em alguns casos, pode-se pedir por seu impeachment. Os tiranos e corruptos devem ser depostos.
Os pastores Martin Niemoller e Dietrich Bonhoeffer resistiram a Hitler. Martin Luther King Jr. resistiu à política oficial segregacionista norte-americana. Orar por um político não é aprovar sua conduta. Assim sendo:

  •   Devemos pedir pela conversão dos governantes.
  •  Devemos pedir sabedoria para os governantes.
  •   Devemos pedir generosidade a Deus para os governantes.
  •  Devemos pedir a Deus que os governantes consigam atuar de modo a contribuir para que haja justiça e liberdade.
  • Podemos até pedir a saída dos governantes incompetentes e corruptos, desde que seja respeitada a lei, se democrática.


Abraço fraterno do MV.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

EVANGÉLICOS NAS URNAS




Por Marcus Vinícius
Parabenizo e desejo sucesso a todos os vereadores eleitos para a legislatura 2016-2020 na invicta Parnaíba. As eleições de 2016 a nível de Brasil, mostraram 250 eleitos com “títulos religiosos”: Pastores (195), Missionários (33), Apóstolos(07), Bispos(14) e Presbíteros(01).
Atribui-se tal crescimento a nova legislação eleitoral que não permiti mais doações de empresas e, o tempo mais curto de campanha, que vem favorecer a quem já tem um público especifico de eleitores. Ficou claro também que, embora sejam múltiplos, os grupos evangélicos quando mobilizados acabam interferindo decisivamente num processo eleitoral.
Vejo que chegou o tempo dos evangélicos também em Parnaíba. Não temos como negar o maior envolvimento e participação dos evangélicos com as questões políticasColhemos agora os frutos de décadas de participação evangélica na política partidária. Tentávamos desde 1988 unir os votos chamados “evangélicos”, mas o clientelismos, o divisionismo eclesial e a propagação de que “política é coisa do diabo” impediam a eleição de candidatos dito evangélicos.
Foi na eleição de 2000, e com grande esforço da IURD e da Igreja do Evangelho Quadrangular, que Wanderlei Sampaio, então pastor da Igreja do evangelho quadrangular, elegeu-se com 857 votos. Mandado sem grandes conquistas e sem continuidade.
Agora, nas eleições de 2016, 16 anos depois, os candidatos de orientação evangélica obtiveram juntos cerca de 9.000 (nove mil) votos nominais, em diferentes agremiações partidárias. Dois(2) representantes eleitos com o “poder das urnas”: O evangelista Irmão Marquinhos da Assembleia de Deus (PSL) e o Pastor Francisco da Paz da IURD (PRB). Recai sobre os dois, Irmão Marquinhos e Pastor da Paz, a responsabilidade de manter e aumentar a bancada evangélica.
Entendo que em 2017 experimentaremos uma nova administração política. E a mais importante é a administração legislativa, isto é, o que diz respeito às leis que serão promulgadas na câmara dos vereadores. Serão os vereadores que estabelecerão as leis municipais e serão com elas que teremos que conviver e obedecer.

Todos os 17 vereadores têm o dever de legislar com honestidade, mas os representantes evangélicos terão a obrigação de serem honestos. Isto porque sendo conhecedores da Bíblia, supõe-se que eles conheçam a Deus também. Eles foram colocados como uma luz, como um tapador de brechas, como o fiel da balança posto por Deus para combater as leis injustas e aprovar as que não contrariem o caráter de Deus. Deverão se posicionar em defesa do bem e não se deixarem corromper, mas primar para que Deus norteei todos os seus atos.

Parabéns aos edis!